Apoio ao cliente - 707 234 234
Oresteia - Encenação: Tonan Quito

Descrição

ORESTEIA
 
«A Justiça lutará contra a Justiça»
Ésquilo, Coéforas
 
Ésquilo autor
Tónan Quito direção
Com Cláudia Gaiolas, Francisco Camacho, Isabel Abreu, Miguel Borges, Tónan Quito, Vera Mantero entre outros
F. Ribeiro cenografia
Daniel Worm desenho de luz
José António Tenente figurinos
Dead Combo música
Coprodução CCB/HomemBala
 
Quando ouvimos falar de tragédia grega vem-nos logo a imagem de deuses e heróis distantes, guerras, mortes, destino… O destino dos homens na mão dos deuses, o destino dos homens nas suas próprias mãos. E o que fazer quando os deuses nos põem à prova? Ou quando escolhemos o nosso próprio destino? Seremos deuses?
Confrontar-nos com um texto destes é sermos convocados a fazer parte dele e, enquanto indivíduos, a fazer parte do espetáculo; tomarmos partido e continuarmos a pensar sobre o papel da cidade na vida dos homens. É voltarmos às bases do que somos hoje. Os gregos são incríveis nisso de nos chamar para fazermos parte da noite: ouvir a voz da cidade, dos deuses e dos homens; como se todos fossem um só. É o que queremos fazer: pensarmos em nós, hoje.
Oresteia é um conjunto de três peças do dramaturgo grego Ésquilo: Agamémnon, Coéforas e As Euménides. É por muitos considerada a grande obra-prima de Ésquilo e da literatura ocidental, tendo sido representada pela primeira vez em 458 a. C., nas festas dionisíacas de Atenas. A obra aborda temas como a culpa e a expiação, o sentido do sofrimento humano, a responsabilidade do homem em relação aos outros homens e a consciência frente ao destino.

Promotor

Fundação Centro Cultural Belém