Apoio ao cliente - 707 234 234
Ciclo - Formas De Ler

Notas

29 novembro 2018
Minha Ántonia, Willa Cather, ed. Relógio D’Água
 
13 dezembro 2018
Moby Dick, Herman Melville, ed. Guerra & Paz
 
10 janeiro 2019
A Nossa Casa é onde está o Coração, Toni Morrison, ed. Presença
 
24 janeiro 2019
O Último Magnate, Scott Fitzgerald, ed. Relógio D'Água
 
7 fevereiro 2019
Reflexos num Olho Dourado, Carson McCullers, ed. Presença
 
21 fevereiro 2019
Rapariga negra, rapariga branca, Joyce Carol Oates, ed. Sextante Editora
 
4 abril 2019
As Vinhas da Ira, John Steinbeck , ed. Livros do Brasil
 
18 abril 2019
Agarra o Dia, Saul Bellow, ed. Relógio D’Água
 
2 maio 2019
O Som e a Fúria,  William Faulkner, ed. Dom Quixote
 
16 maio 2019
Pastoral Americana, Philip Roth, ed. Dom Quixote
 
6 junho 2019
Meridiano de Sangue, Cormac McCarthy, ed. Relógio D'Água,
 
27 junho 2019
A Casa Golden, Salman Rushdie, ed. Dom Quixote

Descrição

Formas de Ler
 
América, América
por Helena Vasconcelos
 
Qual o poder da literatura? A leitura atenta de ficção permitirá conhecer a realidade de um país, a sua História e Cultura, as suas grandezas e as suas fraquezas? No momento em que os ideais fundadores dos E.U.A. parecem estar cada vez mais longínquos e deturpados, será possível apontar causas e soluções? Poderemos compreender a política esquizofrénica deste País, o «fenómeno Trump» e a fixação pelas armas, cujo direito de posse está inscrito na 2.ª Emenda da Constituição? O que dizer de uma nação construída por imigrantes, mas com tanta dificuldade em integrá-los? Como fazer coincidir o espírito puritano dos Fundadores com a explosão da revolução sexual dos anos sessenta? Como tratar as profundas cisões raciais e culturais? De Willa Cather, que nos faculta um primeiro olhar sobre a colonização, e para uma espécie de «inocência» edénica, até à saga construída por Rushdie sobre a contemporaneidade, passaremos por obras que suscitarão acesa discussão sobre temas como a construção do espírito «de fronteira», o mito do «sonho americano», a influência de Hollywood, o liberalismo, as grandes depressões económicas e a pesada herança da escravatura.
Tentaremos compreender o que tem provocado tantas e tão violentas crises e o que se espera, ainda, de uma nação com uma das mais férteis e pujantes literaturas do mundo.

Promotor

Fundação Centro Cultural Belém